Porque eu faço o que faço. - Juliana Infurna

Blog Posts

Porque eu faço o que faço.

Por que eu faço o que faço.

Esses dias um senhor me perguntou no Instagram, por que eu fazia o que eu fazia. Acredito que sua pergunta era até superficial, mas para variar, desencadeou uma reflexão profunda por aqui. We dive deep in here! 😊
Qual é o real motivo por trás do que faço hoje?

Tirando o óbvio que envolve:
servir ao bem maior;
viver uma vida alinhada com meus valores;
os compromissos firmados com a espiritualidade;
o uso dos meus talentos inatos;
a paixão que nutro pelo conhecimento, pelo oculto, pela Alquimia, pelo universo;
o nutrir que as relações me proporcionam;
o amor pela magia do compartilhar e pelo meu trabalho em si.

Existe sim algo mais profundo que isso. Hoje, enquanto escrevo estas palavras, aos 33 anos, ainda estou em busca da minha identidade. Passei toda uma vida fragmentada em diversos papéis, a de filha, da executiva, da mulher, da mãe… e pela primeira vez estou tentando ser Eu, o que ainda não é algo simples para mim. Manter minha inteireza diante da dualidade dos papéis da vida é um grande desafio: pois ao mesmo tempo que eles definem quem somos, eles também nos separaram de quem somos.

Ser Eu para mim, significa ir a este resgate do meu coração… aprender a me amar (o mais difícil) e a amar ao próximo, da maneira mais acolhedora, desinteressada e incondicional possível. Pois para mim, a redenção reside aí: em agir amorosamente.

Para tal, são necessárias muitas curas. Pois se eu soubesse amar incondicionalmente eu não estaria aqui nesta escola chamada Terra, repetente, mais uma vez, na matéria do AMAR. Reconheço minha grandeza e minha capacidade de passar na prova final, mas ainda me falta muito, muito aprendizado.

Quero dizer que faço o que faço porque preciso me curar, de mim mesma, daquilo que me separa de amar.

A gente vem aprendendo pela dor neste plano e as minhas maiores dores, os maiores rompantes que me separaram do meu primeiro ideal de amar foram o abandono e a rejeição, a começar pelos meus primeiros amores: os seres que toparam o desafio de me receber neste mundo. Depois, parti em busca do amor nos relacionamentos e a cada separação, as dores ressurgiam, mas fui aprendendo. Cada relacionamento afetivo era uma viagem em meio à polaridade da vida, de um polo ao outro, eu dava um passo a frente, em direção a mim mesma.

Hoje eu só tenho consciência do mecanismo, o que faz toda a diferença, mas isso não significa que estou imune ao processo. Tenho humildade suficiente para reconhecer que, assim como a maioria dos seres humanos deste planeta, estou doente, por estar tão separada do que deveria nos unir: nossa humanidade e capacidade de amar.

O que é meu trabalho senão a busca pela polaridade oposta das maiores dores já experimentadas por mim? Estou no constante acolher e unir do outro, em busca da cura dessas feridas. Ao escrever estas linhas me dou conta de que isso não foi algo intencionado ou consciente. Conforme eu fui me expandindo e expressando o que se passava dentro de mim, eu fui atraindo almas afins, que viam em mim uma possibilidade de cura e eu ajudava, só que quando ajudamos, nos ajudamos… é assim que funciona na prática. Cada troca me nutre e renova minha fé no Amor universal. Cada pessoa que chega até mim tem algo a me ensinar sobre mim e sobre meu próximo passo.

Faço meu trabalho porque preciso, existe sim o aspecto mundano por trás, que envolve a necessidade de operar neste mundo, mas sobretudo, a necessidade de amar e de ser amada. Esta é a busca essencial de todos os Seres, a questão é que cada um busca a sua maneira, com seus mecanismos, sejam eles conscientes ou não.

Todos sofremos da mesma doença e buscamos a mesma cura e mesmo assim, não conseguimos nos unir. Enquanto não reconhecermos isso, nos acolhermos e virmos de um lugar de vulnerabilidade, será difícil fazê-lo. Aí reside a nossa força e nosso potencial de união.

Mas… estamos no aprendizado.

Bem… é por isso que, lá no fundo, eu faço o que faço 😊

Inscreva-se abaixo na lista interna de leitores para ficar por dentro dos novos conteúdos e para receber inspirações direto na sua caixa de e-mail.

* indicates required



A vida é mais =)

2 Comments

  • José Augusto Antonelli
    Responder

    Texto gostoso de se ler! Te “conheci” hoje fazendo busca de vídeos sobre meditação o YouTube. Me identifiquei com a maneira de pensar. Estou em um processo de busca para entender tudo que está acontecendo comigo e cada dica e palavra sua foi de grande valia. Obrigado e bom trabalho e muita luz e força para que você siga fazendo maravilhosamente o que tem feito. Assim seja!

    • julianainfurna
      Responder

      Gratidão Augusto. Fico feliz que tenha se identificado com minha energia e que ela esteja o ajudando no seu trilhar. Também te desejo muita luz na jornada. Seguimos <3

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: